Economia

6 Erros parentais na educação financeira

Published

on

O dinheiro é a parte mais importante da vida, você precisa saber contar, gastar, economizar, investir. Todo adulto sabe disso. No entanto, nem todo mundo sabe que a alfabetização financeira precisa ser ensinada a seu filho.

As crianças aprendem a maior parte das habilidades observando os adultos – portanto, os pais devem começar por si mesmos primeiro.

Neste artigo, vamos dar uma olhada em 9 dos erros mais comuns dos pais em termos financeiros.

1. Não falar com as crianças sobre dinheiro

Muitos pais preferem discutir o orçamento familiar longe dos filhos, aos sussurros e à porta fechada, argumentando que não há nada para os filhos enfrentarem as dificuldades da vida adulta com antecedência. No entanto, essa estratégia não é totalmente correta.

Proporcionando ao filho uma infância totalmente despreocupada, os pais correm o risco de criar um dependente, não adaptado à vida.

Se desde muito jovem não sabia de onde vem o dinheiro, se está acostumado a tratar o dinheiro com leviandade, de onde virá a alfabetização financeira no futuro?

Posteriormente, é dessas crianças que crescem aquelas que vivem além de suas posses, não mantém um orçamento pessoal, estão atoladas em dívidas e empréstimos ou, pelo contrário, poupam muito.

2. Não dar dinheiro ao filho

Os pais muitas vezes se recusam a dar dinheiro aos filhos porque é “muito cedo”, “ele está desperdiçando”, “vamos comprar tudo nós mesmos”. Isso é errado.

O melhor estudo é a prática, e o ensino de finanças não é exceção. Você só pode aprender a administrar o dinheiro com sabedoria se o tiver.

Se uma criança regularmente tem dinheiro próprio, com o tempo aprenderá a gastá-lo com sabedoria e obterá uma valiosa experiência de independência.

3. Monitorar excessivamente os gastos da criança

Claro, é importante apoiar a criança na forma como ela vai gastando o dinheiro da mesada, é importante dar um conselho, dar na hora certa. Mas o controle excessivo pode arruinar tudo.

Se uma criança sentir que possui dinheiro apenas formalmente, nenhuma independência surgirá. Além disso, podem surgir a incerteza e o medo de cometer um erro: os principais inimigos da liberdade financeira.

4. Pagar pela ajuda doméstica

Frequentemente, os pais tentam usar o dinheiro para motivar seus filhos a estudar bem ou fazer as tarefas domésticas. Mas os psicólogos falam contra essa abordagem.

A criança estuda, arruma o quarto não para ganhar dinheiro ou agradar a adultos. Ele faz isso, em primeiro lugar, para si mesmo. E é importante que ele entenda isso o mais cedo possível.

5. Manipular a criança com dinheiro

Os pais, sem perceber, podem usar a dependência material da criança como uma realização de seus desejos. Por exemplo, se uma criança é rude ou não chega na hora das caminhadas, os adultos a ameaçam dizendo que vão parar de cuidar dela. No entanto, tais ameaças não levam os pais ao resultado desejado – pelo contrário, muitas vezes provocam rebelião.

Tente encontrar outras maneiras de influenciar. Talvez a criança seja teimosa por falta de atenção.

6. Dar tudo de bom para as crianças

Um dos erros comuns é colocar seus filhos em um pedestal e sacrificar seus próprios interesses. Dar o seu último dinheiro para roupas caras, fazer empréstimos para comprar para seu filho um telefone do último modelo.

As crianças, neste caso, podem crescer egoístas, à medida que se acostumam com a ideia de que os adultos devem, embora em seu próprio detrimento, dar-lhes seus benefícios.

A educação financeira dos filhos não começa com cursos e treinamentos, mas com os pais. O exemplo dos adultos é a ferramenta de ensino mais poderosa. E, para ser um exemplo digno para o seu filho, é importante respeitar as regras financeiras e evitar erros básicos!

Gostou? Compartilhe!



Gostou? Compartilhe com seus amigos em suas redes sociais!